Missionário do Espírito Santo. Coordenador do gabinete de Justiça e Paz da Congregação, em Roma.

Francisco, o diplomata

O Papa Francisco reuniu os diplomatas para os saudar. Convidou-os a saber esperar, atitude que exige realismo e coragem: ‘exige que se chamem os problemas pelo nome e se tenha a coragem de enfrentá-los. Exige não esquecer que a comunidade humana traz consigo os sinais e feridas das guerras que têm vindo a suceder-se com crescente capacidade destruidora ao longo do tempo e não cessam de atingir especialmente os mais pobres e os mais frágeis. Infelizmente, o novo ano aparece-nos constelado não tanto de sinais encorajadores, como sobretudo duma intensificação de tensões e violências’.