Missionário do Espírito Santo. Coordenador do gabinete de Justiça e Paz da Congregação, em Roma.

O Papa ‘todo-terreno’

Francisco foi eleito há cinco anos. Apresentou-se como o Papa que veio do fim do fim do mundo e tem-se esforçado por trazer os descartados para o coração da Igreja. Não gosta muito de circular nas ‘auto-estradas’ das gentes bem de vida, preferindo os terrenos enlameados e acidentados de quem vive nas periferias e margens da história.

Floresta ‘Laudato Si’ no deserto

Os Bispos de Angola continuam a visitar as periferias e margens do país, com reuniões plenárias fora de Luanda. A Assembleia Plenária de Março (8 a 14) realizou-se em Moçamedes, às portas do deserto do Namibe. Os Bispos puderam perceber esta realidade única em Angola, com a presença galopante do deserto que tende a ocupar, cada ano que passa, terras de habitação, cultivo e pastagens do gado. Também se puderam aperceber da importância económica do mar.

Sangue com Missão

É do mais radical da tradição cristã dizer que ‘sangue de mártires é semente de cristãos’. Em boa verdade, é fácil reconhecer que dar a vida, totalmente, assume a perfeição exigida pelo Evangelho. Quando alguém, em nome da Fé, da verdade, da justiça e da paz é morto, estamos perante o martírio que traduz uma entrega total da vida.

Missão Espiritana na Bolívia

A Bolívia Espiritana é fruto do jubileu dos 300 anos da Congregação. Em 2003, a União das Circunscrições da América Latina (UCAL) decidiu avançar para Santa Cruz de la Sierra, ali fundando a primeira comunidade Espiritana neste país pobre da América Latina sem mar. Tudo começou nas periferias da cidade, na Paróquia de San Juan Bautista, onde se encontra a grande prisão de Palmasola, visitada pelo Papa Francisco. Em 2012, a Paróquia desmembrou-se e nasceu a de Maria de Nazareth. Os Espiritanos acabariam por aceitar, em 2014, o desafio de Buenavista, uma antiga Missão dos jesuítas que tem cerca de 40 comunidades. Ali trabalham o P. Márcio Asseiro e o Diácono André Azevedo.