Amazónia, um pulmão a proteger

Nestes últimos tempos a Amazónia esteve no centro das atenções do mundo inteiro e não foi por boas razões. A preservação deste que é considerado um pulmão imprescindível para o mundo garantir a sua respiração presente e futura foi posta em causa com a divulgação de imagens reveladoras de um aumento anormal do fenómeno das queimadas e do desmatamento. Diga-se de passagem que houve também muito empolamento e aproveitamento político, a par de alguma desinformação, o que só serviu para complicar a procura de uma solução política que seja sustentável a longo prazo.

Padrões de vida

Os textos hoje escutados põem em confronto dois padrões de vida: um, habitualmente designado de ‘capitalista’, no qual o cilindro da ambição esmaga tudo e todos, sacrificando no altar do lucro pessoas, valores, religião, lazer e cultura. É o que o profeta Amós denuncia de forma frontal e vigorosa na primeira leitura, e que Jesus, no Evangelho, personifica na imagem do administrador infiel e desonesto, para quem todos os meios para garantir um futuro tranquilo são válidos.

O caderno de encargos

Vamos dar início a novo ano apostólico, que pode e deve ser para cada um de nós a oportunidade para fortalecermos e levantarmos um pouco mais a ‘torre’ da nossa eternidade. Mas não tenhamos ilusões: só aceitando a radicalidade da proposta de Cristo é que estaremos em condições de dar este salto em frente; doutra forma, será sempre “mais do mesmo” e não esqueçamos que não é com fogo de vistas e com entusiasmos momentâneos que se constrói seja o que for, muito menos uma torre!