Sozinhos, nunca!

O I Encontro Mundial sobre a Fraternidade Humana, com o tema ‘Not Alone – Não sozinhos’, reuniu milhares de jovens e menos jovens que responderam ‘sim’ ao convite do Papa para uma celebração muito especial, com o objetivo de relançar o sonho de fraternidade do Papa Francisco que publicou, em 2020, a encíclica ‘Fratelli Tutti’ onde critica o regresso de certos populismos, do racismo e discursos de ódio, quase sempre amplificados pelos media e redes sociais

Obrigado, Papa Bento

O mundo inteiro (ou quase) se vergou perante esta grande figura da cultura. Os perfis de uma pessoa nunca garantem a unanimidade dos pareceres e opiniões publicadas, mas considero que o Papa Bento XVI foi a pessoa que o Espírito Santo achou ajustada àqueles tempos pós-João Paulo II, pois permitiu abrir as portas de par em par à chegada do ‘missionário’ Papa Francisco, vindo das terras do fim do mundo – como ele se apresentou, de forma divertida, mas muito séria!

Missão de fazer mais que dizer

A Mensagem para o Dia Mundial das Missões, a celebrar a 23 de Outubro, é forte, provocadora e profunda, como sempre. Lembra que a Igreja é, por natureza missionária e que a identidade da Igreja é evangelizar. Nada de novo. Recorda ainda que não há lugar para franco-atiradores, porque a missão tem de se realizar em comunhão profunda com a comunidade eclesial, pois Cristo mandou os primeiros discípulos ‘dois a dois’.

A ‘Carta’ da Ecologia Integral

O papa Francisco mandou entregar uma carta a Arauna Kandé (um jovem senegalês),  a Ridhima Pandey (uma adolescente indiana), a Dadá Borarí (um chefe índio da Amazónia) e a Robin Martin e Greg Asner (um casal de cientistas do Havai, nos USA). Todos receberam este correspondência papal que trazia dentro um convite especial para irem a Roma encontrar-se com o Papa e explicar-lhe como vêem e como vivem as consequências das alterações climáticas. As Cartas chegaram sete anos depois de Francisco ter publicado a Carta encíclica ‘Laudato Si’ sobre o cuidado da Terra, a nossa Casa comum.