México

O México é o país mais populoso da Hispanofonia. Com uma população maioritariamente católica é o 2º país com maior número de católicos no mundo, superado apenas pelo Brasil. É composto por 31 estados e um distrito federal, e chama-se oficialmente ‘Estados Unidos do México’.

Antes do contacto com os europeus, o território era a casa de muitas culturas e civilizações avançadas como a dos olmecas, toltecas, teotihuacanos, zapotecas, maias e astecas. 

A Cidade do México, capital do país, foi fundada em 1524 em cima da antiga capital asteca de Tenochtitlan-México. ‘Mexihco’ era o termo em nahuatl usado para se referir ao coração do império asteca, o Vale do México, e ao seu povo, os astecas.

Em 16 de setembro de 1810, a independência da Espanha foi declarada pelo padre jesuíta Miguel Hidalgo y Costilla. 

O dia da festa da Nossa Senhora de Guadalupe, a padroeira do México, é comemorado em 12 de dezembro e é considerado por muitos mexicanos como o mais importante feriado religioso de seu país.

> Relatório da Liberdade Religiosa

Espiritanos no México

No dia 22 de fevereiro de cada ano, o grupo internacional do México celebra o aniversário da sua fundação e o início da sua actividade missionária, religiosa e espiritana neste país. É um dia de acção de graças e de compromisso com a missão.

Conta a história que três espiritanos, provenientes da Província dos Estados Unidos, foram até ao Peru para aí viverem uma inserção eclesial a pedido do bispo diocesano pois este tinha na sua diocese uma casa dedicada a recolher miúdos da rua e nunca conseguia ter alguém disposto a lutar por este projecto. Ouviu falar do carisma dos Missionários Espiritanos através de outros colegas.

No entanto, se foi fácil passar do dito ao facto, mais difícil foi a inserção destes três missionários espiritanos na realidade da Igreja do Peru por vários factores. Desiludidos e tristes, os três decidiram fazer o caminho de regresso aos Estados Unidos. Neste caminho, depois de terem passado e rezado na basílica da Virgem de Guadalupe, decidiram utilizar a estrada nacional E-81, por ser mais curta e rápida, pois liga a grande Cidade do México com a fronteira norte-americana em Nuevo Laredo.

Pelo caminho, pararam em Ciudad Valles, que se situa a meio-caminho. Fizeram esta pausa convencidos que só iriam pernoitarem e seguiriam caminho ao romper do dia. No entanto, depois de terem participado na missa da tarde celebrada na sé catedral desta pequena cidade, foram visitar o bispo da mesma. Entre dois dedos de conversa, contaram o que lhe tinha acontecido, a desilusão sentida e a dureza do regresso.

O bispo de Ciudad Valles, entre os bocados tristes desta história, lá foi falando na rareza de sacerdotes na sua diocese, no abandono das comunidades indígenas e na pouca prática religosa de muitas das suas comunidades por falta de párocos e de outros meios.

Ainda que os três espiritanos tinham combinado partir na manhã seguinte, aceitaram prolongar a estancia para que pudessem visitar a paróquia de Tanlajás, a qual é a porta de entrada nas comunidades indígenas e que recentemente tinha ficado privado da assistência espiritual.

O que se segue da história já de nosso conhecido: viram a pobreza, abandono e misérias das populações, que os três resolveram escrever ao provincial de então a comunicar-lhe que a missão apenas tinha mudado de país, mas que continuava em terras latinas…. Hoje, passado 47 anos não são três, mas duas dezenas de espiritanos que provenientes de outros país seguem dando vida a este projecto missionário em terras mexicanas.

Semear o Evangelho numa terra regada de lágrimas

O Papa Francisco voltou à América Latina e visitou o México, onde os espiritanos trabalham há 45 anos. Aí encontrou um povo profundamente religioso, um povo alegre que acolhe bem, mas também um povo ferido e a sofrer. Francisco veio abraçar este povo e encorajá-lo a não se deixar...