Liturgia

  • SEXTA-FEIRA da semana VI

    S. Filipe Néri, presbítero – MO Branco – Ofício da féria ou da memória. Missa da féria ou da memória, pf. pascal. L 1 Act 18, 9-18; Sal [...]

A verdadeira visão

Aproveitemos este tempo da Quaresma para uma consulta – ainda por cima, gratuita! – no verdadeiro Oftalmologista, que é Cristo, para melhorarmos a qualidade da nossa visão.

As nossas sedes

Para quê teimarmos em saciar a nossa sede em águas estagnadas e poluídas, quando, ao nosso lado correm "rios de água viva"?

Deixar - Partir - Subir

Ao 'deixar' e 'partir', está ligado inseparavelmente o 'subir', como condição para não ficarmos atolados no marasmo do dia-a-dia, sem horizontes largos e sem ar puro que nos permita respirar bem. É neste 'subir' que se vai realizando a nossa 'transfiguração' e se concretiza o...

A melhor apólice

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não esquecer que nenhum deles nos garante aquilo que só o Senhor pode oferecer e cumprir!

Vocação à santidade

A verdadeira santidade tem pouco a ver com uma espiritualidade angelizante ou espiritualizante, traduzida em "almas puras": ela transforma o nosso ser, em todas as suas dimensões, em morada da Santíssima Trindade: "o templo de Deus é santo, e vós sois esse templo".

A medida alta

Porquê contentarmo-nos com os horizontes tão reduzidos de quem se limita a rastejar na vida?

Sal ou açúcar?

Continua bem atual a censura feita por Paul Claudel: "O Evangelho é sal, mas vós tornaste-lo açúcar"!

O código de estrada do cristão

O 4º Domingo do Tempo Comum lança-nos algumas perguntas incómodas, mas que não podemos evitar!

Alinhados com Cristo

O ‘sim’ dado ao Senhor no dia do nosso Batismo, temos de o renovar a cada dia e a cada momento face às circunstâncias em que a nossa vida decorre

Onde está a diferença?

A “diferença” que os outros devem notar em nós não pode reduzir-se ao uso de símbolos religiosos... mas tem a ver com os nossos gestos, as nossas atitudes, os nossos comportamentos, que devem estar cheios de paz, de luz e de ‘pão’.