Liturgia

  • SEXTA-FEIRA da semana VI

    S. Filipe Néri, presbítero – MO Branco – Ofício da féria ou da memória. Missa da féria ou da memória, pf. pascal. L 1 Act 18, 9-18; Sal [...]

Jesus, o verdadeiro comunicador

Em 1966, o então papa Paulo VI escolheu a Solenidade da Ascensão do Senhor Jesus ao Céu para Dia Mundial das Comunicações Sociais, não só para reconhecer e sensibilizar para a importância dos meios de comunicação social, mas também para apresentar Jesus Cristo como o verdadeiro...

Novena do Pentecostes

Com o tema "O Espírito Santo Presente e Ativo nas Famílias", os espiritanos no Vietname prepararam Novena de Pentecostes deste ano para a Família Espiritana

Diáconos ou missionários?

6º Domingo da Páscoa. S. Lucas quer-nos dizer que todo o cristão deve ter esta dupla marca: o espírito de serviço e o anúncio de Jesus Cristo.

A marca cristã

5º Domingo da Páscoa. Seja qual for a nossa capacidade e as funções que desempenhemos, em todos deve ser facilmente percetível que cristão que não sirva para servir, não serve para nada – esta tem de ser mesmo a nossa ‘marca’!

A voz e o cheiro

O Domingo do Bom Pastor

Companheiros de viagem

A Eucaristia para nós, cristãos, não pode ser apenas o ‘lugar’ da ressurreição, mas também o impulso para nos tornarmos verdadeiros ‘companheiros de viagem’ de tantos irmãos nossos que vagueiam indecisos e pesarosos pelos caminhos da vida.

Ver para crer ou crer para ver?

Em vez de exclusão (ver para crer ou crer para ver), a verdadeira resposta é inclusiva: crer para ver e ver para (melhor) crer!

O dia que não acabou

A Páscoa é marcada por grande movimentação. Bem movimentada também é a vida hodierna, mas igualmente muito necessitada da luz pascal: não falta gente que caminha apressadamente à procura da felicidade e só encontra túmulos vazios - e não é aí que pode encontrar o Senhor da vida.

A nossa Semana

Passar ao lado desta ‘semana’ - seja por opção, seja por indiferença - é mesmo tornar-se indigno de usar o nome de “católico” ou de “cristão”!

Vivos mortos e mortos vivos

Era mesmo inevitável que, nesta caminhada para a ressurreição, fôssemos confrontados com a morte, ou, melhor, com as mortes!