Semanas Missionárias 2015

Desde 1986, em Agosto, JSF de todo o país deixam as suas casas e vão ao encontro de realidades de igreja muito diferentes das suas paróquias para dar um pouco de si a outras comunidades. Este ano, naturalmente, não foi exceção e várias dezenas de jovens partiram para Caldas da Rainha, Viana do Castelo, Ourém e Castro Verde.

Nadadouro, Foz do Arelho - Caldas da Rainha

Por Sara Silva - S. Cristovão do Selho

Ao falar de uma Semana Missionária, apetece sempre começar com um “Era uma vez…”, até porque, todas as histórias com um final feliz começam com um “Era uma vez…”, e esta não é diferente. E os protagonistas desta história, são mais do que príncipes encantados ou belas princesas, são pessoas que ousaram chegar mais longe, ousaram “Estar perto dos que estão longe, sem estar longe dos que estão perto”.

Chegamos sem nada conhecer… Eramos 16, e cada um de nós chegou com a sua bagagem. Uns traziam sorrisos, outros traziam histórias, os mais ousados traziam dinâmicas e os mais sérios, traziam orações. Cada um de nós trouxe o pedacinho que faltava ao outro, e por isso, é que fomos capazes de ser mais do que um só, fomos UM.

Vivemos com a certeza de que valeria a pena… Vivemos dez dias que nenhum de nós pode esquecer. O Lar da Foz do Arelho, o Lar da Serra do Bouro, o Centro de Dia do Nadadouro e as maravilhosas pessoas que tivemos o prazer de visitar em suas casas, fizeram com que cada minuto quisesse ser eterno. Há sempre algo de mágico nos Idosos, e só de olhar para eles, sentimos que já aprendemos. Cantamos, dançamos, rezamos, mas acima de tudo, estivemos lá, de alma e coração, a ouvir cada história, a sentir cada abraço e cada beijo, a dar a mão, a rezar juntos, pois só assim é que fazia todo o sentido. E quanto à comunidade, nem todos os obrigados chegam para agradecer, pois mesmo não estando em nossa casa, a palavra Casa, fez todo o sentido. Foram os almoços, os nossos adolescentes, o lanche com a comunidade, os momentos que partilhamos a caminhar, em oração e em todas as Eucaristias, foi tudo isto que nos fez desejar pedir mais tempo ao tempo, para ficar um pouco mais nesta nova Casa.

Regressamos com lágrimas de saudade… Com vontade de voltar, ser mais e melhor. Temos o coração cheio, temos o espírito renovado, temos saudade. Uma saudade que nos vai fazer continuar. A nossa missão não terminou, porque a missão nunca tem fim, novos desafios nos esperam, e cada Semana Missionária é uma aprendizagem para a vida. Esta é a nossa história, uma história feita de pessoas, que vive na memória de cada um de nós, e que irá sempre permanecer na saudade. E nunca uma saudade soube tão bem, porque mais do que um “Adeus”, este é um “Ate Já”.

Viana do Castelo

Por Rita Coelho - JSF Raimonda

De 12 a 23 de Agosto, jovens de Norte a Sul do país juntaram-se na bela cidade de Viana do Castelo, conhecida como a Princesa do Lima para realizar aquela que foi a primeira semana missionária em contexto citadino. Foi uma nova experiência para todos os Jovens Sem Fronteiras que fizeram parte deste grupo. As habituais visitas a lares e ATL foram praticamente inexistentes. Mas em compensação, o participar nas Festas da Sra. da Agonia foi o ponto mais alto desta semana. Foi proposta a tarefa de “mostrar” que as festas não são só carrinhos de choque, músicas e farturas, mas também são um grande momento de espiritualidade e de crescimento na fé. E assim, ao longo de 11 dias, foi esta a mensagem passada através da participação na novena, na Transladação das imagens do Sr. dos Aflitos e da Sra. da Assunção, na Noite dos Tapetes, na Procissão ao Mar e mesmo até nos desfiles alegóricos. A alegria da nossa missão foi transmitida por todos e para todos. E feito agora o balanço final, foi uma alegria recebida pela comunidade que nos acolheu, pelos jovens que trabalharam connosco. A semente da missão ficou em Viana do Castelo e agora resta continuar a regá-la até que germine. Esta é a nossa missão.

Rio de Couros, Ourém

Por Gisela Barreiro (JSF Godim) e Verónica Rodrigues (JSF Santa Catarina)

Partindo ao ritmo da missão, 17 Jovens Sem Fronteiras, “Discípulos Missionários caminhando na Alegria!”, acompanhados pelo Padre Victor Silva, rumaram até Rio de Couros vindos do norte ao sul do país para realizar uma Semana Missionária de 21 a 31 de Agosto de 2015.

Nesta semana missionária pudemos conhecer melhor as paróquias do padre David Barreirinhas: Rio de Couros, Ribeira do Fárrio e Formigas.

Sendo a população que encontrámos bastante idosa, o nosso foco foi logo direcionado a eles. Assim sendo, estivemos em alguns lares das paróquias onde a música e a oração foram algumas das coisas que não faltaram.

Muitas foram as visitas ao domicílio junto das pessoas mais debilitadas que infelizmente foram imensas... em cada casa que entrávamos existia um olhar triste, por vezes perdido mas à medida que o tempo ia passando, que nos íamos integrando, acabava por acontecer sempre um sorriso cúmplice, um olhar meigo...muitas foram aquelas que nos disseram que tornámos o seu dia melhor e que não nos iam esquecer... Obrigado, fizeram-nos sentir ainda com mais alento e com o propósito certo que a nossa missão e a nossa estadia faziam sentido!

Nos encontros com os diferentes grupos de jovens locais e JSF, as atividades ficaram marcadas pela oração, pelo convívio e pelas dinâmicas realizadas. Levámos àqueles jovens essencialmente o nosso espírito de união, a nossa boa disposição, mostrando quem somos, o que fazemos e ao que vimos.

Na Ribeira do Fárrio e em Rio de Couros realizámos um pequeno encontro com as crianças da catequese, onde aí imperou sem dúvida o sorriso, a alegria contagiante de Estar e Ser, e onde todos nós nos sentimos um pouco crianças.

À medida que os dias iam passando, ainda houve tempo para praticarmos desporto no Clube desportivo da Sandoeira, local onde residíamos. Aí foram realizados alguns jogos nocturnos nos quais todos podiam participar, jovens e menos jovens, jogos esses que foram marcados pelos desportivismo e companheirismo. Não existiram propriamente equipas formadas (nem sequer foi preciso), pois quando um se cansava outro entrava rotativamente. Neste espírito, muitos foram os golos que encheram a noite e que a tornaram mais divertida.

O grupo teve ainda tempo para participar em pequenas festas da localidade e para interagir com a comunidade em diversos momentos, um deles foi no Festival de Ranchos na Ribeira do Fárrio onde o grupo comemorava 25 anos e outro foi num pequeno leilão em Rio de Couros, onde se gerou um espírito de festa, tocando e cantando, animando tudo com aquelas pessoas tão generosas. E aquele presunto  e os sonhos? Não estavam daqui, estavam dali.

Enfim… foi maravilhoso ver os sorrisos daquelas pessoas com quem nos cruzámos ao longo da nossa caminhada, do nosso dia-a-dia. Nestas terras, não só nos sentimos verdadeiros pescadores de homens como também nós fomos (bem) pescados.

Esta semana marcou-nos pela oração, união e cooperação. Estes foram os principais ingredientes para viver aqueles 10 dias, dando o máximo de nós. Muitos foram aqueles que superaram os seus medos e que se deixaram levar por Deus e pelo caminho que Ele construiu e constrói a cada dia. A nós, resta-nos agradecer toda a dedicação de todas as comunidades que nos receberam e que tão bem cuidaram de nós, sem vós nada disto era possível. Obrigado por tudo!

Não se esqueçam…

“Estar perto dos que estão longe, sem estar longe dos que estão perto!”.

Entradas, Castro Verde

Por Sara Ribeiro - JSF Portela

Este agosto, 21 Jovens Sem Fronteiras de todo o país estiveram em Entradas (Castro Verde) para mais uma semana missionária. De 21 a 31 de agosto, os jovens partilharam a alegria de ser cristão com esta população alentejana.

O trabalho realizado contemplou o contacto com os idosos, crianças e jovens. Houve a oportunidade de visitar o lar de Castro Verde “Jacinto Faleiro” e o Centro de Dia de Entradas “Frei Manoel das Entradas”, onde em ambos se conversou com os utentes, cantou-se, jogou-se às cartas e ainda se realizaram algumas atividades.

Com as crianças e os jovens, surgiram momentos de atividades lúdicas, bem como sessões de cinema e torneios/jogos de futebol. Um facto curioso aconteceu nos primeiros dias, quando as próprias crianças acompanharem os JSF em visitas ao domicílio, dando-nos assim a conhecer à freguesia e vice-versa.

Sendo discípulos missionários, caminhámos na alegria com uma festa missionária que teve também a participação do grupo JSF de Castro Verde e das Neves. E, no fim da semana, participou-se com ânimo na eucaristia e procissão das festas de Santa Bárbara.

Além do trabalho com a comunidade, o grupo fortaleceu a sua fé nos diversos momentos de oração, em debates com exposição de dúvidas acerca da igreja católica, e ainda com a habitual convivência em “família”.

A semana missionária de Entradas fica, assim, marcada pelas diversas interações e testemunhos trocados e pelo espírito de crescimento em grupo. Tal como o P. Raul, que nos acompanhou, referiu num dos seus sermões, baseado nas palavras de Santo Inácio de Loyola, para ser católico e ser missionário deve-se trabalhar como se tudo dependesse de nós e confiar como se tudo dependesse de Deus.