Investir nos Animadores

Por: P. João David, Coordenador da região Douro (2008)

Sendo os JSF um movimento de inserção paroquial, a dispersão geográfica dos grupos poderá levar a uma dispersão de apegos e de projectos e, por aí, ao individualismo dos grupos, ou ao seu isolamento; ora, o isolamento enfraquece e o individualismo mata a solidariedade. A organização e o funcionamento das coordenações de grupo (nas paróquias), de região e nacional, para além de responderem às necessidades dos próprios grupos, procura promover o equilíbrio que se pretende entre a autonomia local e o compromisso no todo do movimento, dando-lhe condições de operacionalidade e flexibilidade, sem perder a consistência.

É por isso que os animadores têm nos JSF uma importância fulcral; e que a sua formação tem sido uma preocupação permanente, visando não só possibilitar um bom desempenho local na animação dos grupos, mas, também, garantir canais de maior participação e co-responsabilidade na orientação do próprio movimento enquanto tal.

Para que isto aconteça, não é suficiente a existência de animadores com um “saber” e um “saber fazer”. É necessário, também, um “saber relacionar-se”, que lhes possibilite trabalhar em equipa, comunicar, negociar, planificar e actuar juntos. É construindo juntos que poderemos falar de objectivos e projectos partilhados; e é dessa forma que cresceremos todos em autonomia, liberdade, responsabilidade e abertura ao meio que nos rodeia. Tal é a visão humana e cristã que nos norteia.

Os encontro nacional de animadores, realizados habitualmente em Fátima, no mês de Novembro, têm constituído o momento mais visível desta preocupação, possibilitando uma sucessão natural dos animadores nos grupos e o exercício de uma liderança de carácter aberto e participativo, sem perda de qualidade, apesar de renovada com regularidade.

Sintomático do crescimento e amadurecimento do movimento é a importância crescente dos coordenadores regionais, a par dos animadores, razão porque passaremos, no futuro, a falar não do ENA mas do ENCA, (Encontro Nacional de Coordenadores e Animadores).

Os Jovens Sem Fronteiras têm-se afirmado claramente como um dos ramos da família espiritana, e isso não tem diminuído o seu protagonismo, antes pelo contrário, facto só possível por um exercício real de animação e liderança. 

“Jovens Missionários, Testemunhas de Misericórdia”

Cerca de 50 Coordenadores, Animadores, Secretários e Tesoureiros dos Jovens Sem Fronteiras de todo o país reuniram-se no CESM, em Barcelos, para o seu encontro anual (ENCA)

ENCA 2015

O Encontro Nacional de Coordenadores e Animadores (ENCA) dos Jovens Sem Fronteiras teve lugar no Seixal com o lema «Cultiva-te com sabedoria, semeia com misericórdia».

Formação de líderes JSF

Encontro Nacional de Coordenadores e Animadores 2014