Retiro andante

Jovens Sem Fronteiras da região sul puseram as pernas (e o coração) a caminho até Fátima

Nos dias 29 e 30 de Abril e 1 de Maio, 13 Jovens Sem Fronteiras participaram no II Retiro Andante da Região Sul. Sob o tema “Alegres na Esperança” e orientados pelo Pe. Miguel Ribeiro, pusemos as pernas (e o coração) ao caminho até Fátima.

O ponto de encontro foi na Benedita; uns vinham do Alentejo, outros do Algarve, outros ainda de Lisboa e também do centro do país. Começámos a nossa peregrinação.

Como veio a ser regra nos restantes dias, o caminho começou com a leitura de um texto Bíblico seguido de alguns parágrafos de reflexão, sendo os primeiros 30 minutos da caminhada em silêncio. Avizinhava-se um caminho árduo: as subidas da Serra dos Candeeiros eram tortuosas e íngremes, e logo no primeiro dia alguns começavam a perder as forças. Fazia sentido em todos os corações a leitura do Livro das Lamentações que antes tínhamos ouvido: “Bloqueou-me o caminho com pedras, fez-me seguir por estrada errada”. Porém, todo o grupo ajudava os que ficavam para trás e passo a passo, ultrapassámos a etapa difícil. Juntos.

Já ao fim da tarde chegámos a Arrimal, onde pernoitámos. Foi tempo de descansar, dar graças pelo dia passado e recuperar energias.

O segundo dia começou cedo. E começámos a caminhada com a habitual oração, em silêncio. Nessa manhã choveu. Choveu muito. Mas nem a chuva nos deteve. Estávamos molhados mas enquanto andávamos não tínhamos frio. Era como se houvesse uma luz quente que nos atraía no caminho para Ele.

Já tinha chovido, já tinha espreitado o sol e chovido outra vez quando chegámos à segunda paragem – Alqueidão da Serra. Lá, na igreja, o Santíssimo estava exposto e por isso, apesar de não estar planeado, entrámos. Ali nos encontrámos com Ele, como quem diz ao seu pai: “Cheguei bem, obrigada por me guardares”. Neste mesmo dia à noite celebrámos a Eucaristia. E desta forma simples agradecemos, pois tinha chegado a hora do merecido descanso.

No terceiro dia o cansaço era muito, mas a alegria de estar mais perto falava mais alto - estava quase! E mesmo quem se sentia sem forças continuou.

Pelo meio-dia chegámos a Fátima e depois da Eucaristia, partilhámos mais uma refeição e despedimo-nos. Dali partimos de coração cheio de alegria e de esperança! Tivesse o nosso caminho sido em areia não haveria certamente pegadas, pois Ele carregou-nos ao colo.

Últimas

Missão em Agosto

P. Miguel Ribeiro e Inês Prata falam à Agência Ecclesia sobre as atividades de verão dos Jovens Sem...

Católicos, mesmo?

A verdadeira ‘aldeia global’ é-nos proposta por Deus sob a forma de “casa de oração”, pois é pela...

Férias culturais

No período de férias proponho um passeio cultural com a família à Villa Romana de Pisões, situada na...

Deus desconcertante

19º Domingo do Tempo Comum. É importante que, num tempo em que somos constantemente bombardeados por...

É proibido reclamar

Este foi um dos últimos pedidos do Papa Francisco quando iniciou as suas férias de verão.

Bem-vindos ao Planalto

Ouvi estas palavras há precisamente 20 anos. O planalto é o angolano. Zona fértil, que se eleva a...