Que fizeste do teu irmão?

"O doente e o incapacitado não deixaram de ter força, nem braços, nem voz, muito menos direitos e, sobretudo, necessidades."

E, de repente, a meio de um jantar de amigos, toca o telefone. Um deles levanta-se e regressa de lágrima presa no canto do olho: «É o meu pai, teve mais uma crise…» cessam todo o interesse nas últimas diatribes futebolísticas ou nas mais recentes jogadas e geringonças da política. A virtuosidade da vida académica ou na ultima incursão sobre os eventos familiares ou a vida privada de amigos comuns perdem tempo de antena. Entreolham-se os convivas em silêncio. Nada do que se possa dizer tem mais relevância, diante deste súbito confronto com a realidade.

A fraqueza e a doença são sempre realidades que nos chocam: lembram-nos a verdadeira natureza e finitude das nossas forças e capacidades. Diante dela nos vemos pequenos e isso irrita-nos. Procuramos escondê-la, ignorá-la. Externalizamos o sofrimento que nos causa pelo silêncio, ou então por algum remoto bode expiatório (quiçá Deus?). E, se o acordar é duro para quem olha esta realidade de fora, nada nos prepara para sofrer na pele as consequências e limitações da nossa condição. 

Mais difícil ainda, é manter o discurso «cristãozinho», da fraqueza como lugar de testemunho, do irmão que precisa da nossa ajuda. Ou então, da dependência que obriga à relação, porque percebemos que precisamos da disponibilidade do outro para acudir à nossa limitação. Por vezes, mas cada vez mais raramente, lá surge também o piedoso pensamento do oferecimento das nossas dores pela configuração com a paixão de Cristo. Todos são bons e corretos, exceto quando o papel do doente ou do incapacitado nos cabe a nós.

Talvez seja porque a perspetiva cristã da doença e da incapacidade não é a da pia resignação, mas antes exige atitude, testemunho e luta. Mais do que nos abrir os olhos para as realidades essenciais, torna-se sinal de contradição: o doente, o incapacitado, o débil que se me apresenta, é e será sempre um filho muito amado de Deus, com a inalienável dignidade que isso lhe confere. Mais ainda, se é nosso irmão e não consegue fazer ouvir a sua voz para fazer valer os seus direitos, essa sua dignidade tem de ser ouvida e defendida por outras gargantas. Pela tua. Pela minha.

É também o doente um membro de pleno direito do corpo do Cristo que nos congrega, depositário de uma missão pessoal e intransmissível. Não cessa, portanto, de ter utilidade, ou passa a ser apenas personagem secundário da trama de uma família ou comunidade: continua a ser o ator principal de uma grande história de amor, independentemente das mudanças de guião e de cenário.

Assumir esta realidade é, por isso, um elementar dever de justiça: o doente e o incapacitado não deixaram de ter força, nem braços, nem voz, muito menos direitos e, sobretudo, necessidades. O Papa Francisco lembra isso mesmo na mensagem que deixou para o Dia Mundial do Doente, que celebraremos no próximo dia 11 de Fevereiro. Que fizeste do teu irmão?

Últimas

Eu, Daniel Blake

Mais uma edição da tertúlia "Um filme, uma provocação", promovida pelo CESM. A próxima edição é...

E cacareja a galinha

Se tanto nos damos com galinhas, entristece-me que ninguém as elogie. Não há uma fábula, um...

Retiro JSF em Fátima

100 anos depois, Fátima continua a ser lugar onde nos podemos aproximar de Deus. No início da Semana...