P. José Maria de Azevedo Moreira

Natural de Mouquim, em Vila Nova de Famalicão, dedicou a sua vida ao serviço da formação em Angola e em Portugal. Partiu para o Pai na véspera do dia de Libermann, fundador dos espiritanos. Damos graças a Deus pela sua vida e missão, e rezamos pelo seu descanso, junto do Pai.

P. José Maria de Azevedo Moreira (06-10-1938 / 01-02-2017)

O P. José Maria, natural de Mouquim, Vila Nova de Famalicão, onde nasceu em 6 de outubro de 1938, era filho de Arlindo Moreira e de Maria Rosa de Azevedo.

Embora admitido ao seminário diocesano de Nossa Senhora da Conceição,  pelo Sr. Arcebispo de Braga em 9 de setembro de 1949, foi no Seminário das Missões do Espírito Santo, em Godim-Régua que entrou em outubro do mesmo ano. De Godim passou para o Seminário do Fraião, em Braga, e depois para o da Silva, em Barcelos. Aí fez o noviciado professando em 1957. Os votos perpétuos foram em 1960.

A ordenação presbiteral foi na Torre d’Aguilha, Cascais, em 30 de março de 1963.

Nesse mesmo ano de 1963, partiu para as Missões de Angola. Foi colocado como professor no Seminário do Jau e atendia pastoralmente toda a área da Missão.

Em 1968 foi nomeado diretor do Seminário, levando os alunos do Seminário a fazer os exames oficiais do Liceu.

Em 1972 foi para a Missão do Sêndi onde, em 1973, fundou o Ciclo preparatório.

Com a independência de Angola, veio para a Europa e após algum tempo de reciclagem, dedicou-se ao ensino na sua terra natal.

Mas em 1980 foi colocado no Seminário da Torre d’Aguilha. Ensinou português, latim e grego no Liceu de Carcavelos. Nomeado Superior e professor no Seminário da Silva, lecionou também na Escola Industrial de Barcelos.  

Em 1991 frequentou o Instituto Pastoral Leão XIII em Madrid, regressando no ano seguinte a Angola, para pároco do Pópulo, em Benguela e Professor de Filosofia no Seminário diocesano.

Em 1996 é missionário na Missão do Lubango, atendendo também a Missão do Sêndi; reaberta esta Missão arranjou possibilidades de a prover de escolas e assistência hospitalar, ajudado pelas Irmãs Espiritanas.

Em 1998, com a saúde muito abalada, regressou a Portugal, sendo internado no Hospital de S. José em Lisboa, donde seguiu para recuperação no Fraião.

Em 2000 foi transferido definitivamente da Província de Angola, para a de Portugal e sendo nomeado para a Comunidade de Viana do Castelo. Aí permaneceu prestando, enquanto pôde, alguns serviços pastorais.

Agravando-se o estado de saúde, foi para o Lar Anima Una, donde partiu para a casa do Pai a fim de receber a herança prometida aos que tudo deixam pela causa do Evangelho.

Rezemos para que descanse em Paz.

Últimas

Missão em Agosto

P. Miguel Ribeiro e Inês Prata falam à Agência Ecclesia sobre as atividades de verão dos Jovens Sem...

Católicos, mesmo?

A verdadeira ‘aldeia global’ é-nos proposta por Deus sob a forma de “casa de oração”, pois é pela...

Férias culturais

No período de férias proponho um passeio cultural com a família à Villa Romana de Pisões, situada na...

Deus desconcertante

19º Domingo do Tempo Comum. É importante que, num tempo em que somos constantemente bombardeados por...

É proibido reclamar

Este foi um dos últimos pedidos do Papa Francisco quando iniciou as suas férias de verão.

Bem-vindos ao Planalto

Ouvi estas palavras há precisamente 20 anos. O planalto é o angolano. Zona fértil, que se eleva a...