Outra vez o jumento?!

"É tempo de férias, estar com a família e descansar, que seja também tempo para louvar e agradecer, contemplar e adorar."

Não era minha intenção voltar ao jumento, a sério. Mas acontece que em agosto celebramos Santo Agostinho, no dia 28, e estava lendo os seus sermões quando ele me atira com o jumento. Sim, esse mesmo, o que levou Jesus na entrada triunfal da cidade santa, como vos recordais. Deixemos, pois, Santo Agostinho dizer por nós o que seria arriscado dizer sem ele. “Olha para o presépio e não te envergonhes de ser o jumento do Senhor. Levarás Cristo, e não te enganarás no caminho que percorres, porque sobre ti vai o caminho. Recordai-vos daquele jumento que levaram ao Senhor? Ninguém tenha vergonha; aquele jumento somos nós. Vá sentado sobre nós o Senhor e chame-nos para que O levemos aonde Ele quiser. Somos o seu jumento e vamos a Jerusalém. Sendo Ele que vai sentado, não nos sentimos oprimidos, mas honrados; tendo-O a Ele por guia, não erramos: vamos até Ele, vamos através d’Ele, e não perecemos” (Sermão 189).

Mas deixemos os jumentos e fiquemos só com Santo Agostinho. Agora, que para muitos é tempo de férias, estar com a família e descansar, que seja também tempo para louvar e agradecer, contemplar e adorar. Pois é o conselho que nos deixa Santo Agostinho no Sermão sobre o Salmo 33: “A toda a hora bendirei o Senhor, / o seu louvor estará sempre na minha boca. / A minha alma gloria-se no Senhor: / ouçam e alegrem-se os humildes”. Comenta Santo Agostinho: “Por que alguém pode bendizer o Senhor em todo o tempo? Porque é humilde. O que é ser humilde? Não querer louvor para si mesmo. Querer ser louvado em si mesmo, é soberbo. Quem não é soberbo, é humilde. (…) Os que não querem se gloriar no Senhor, não são mansos, mas cruéis, ásperos, orgulhosos, soberbos. O Senhor quer ter um jumento manso. Sê jumento do Senhor, isto é, manso. (..) É possível que o povo não goste de ser comparado ao jumentinho, montado pelo Senhor.”

Espera… outra vez jumentos? Queiram desculpar.

Últimas

Sabor a injustiça?

Como é que podemos trocar o sabor a injustiça pelo sabor e cheiro a misericórdia?

O (mais) perfeito dom

Jesus fala-nos do ‘perdão do coração’. Esse é que é o perdão por excelência, o dom perfeito. É na...

Bispo simples e próximo

A Família Espiritana une-se à Diocese do Porto e à família do D. António Santos, que partiu, esta...

Outra vez o jumento?!

"É tempo de férias, estar com a família e descansar, que seja também tempo para louvar e agradecer,...

Vidas alheias?

Passar do alheamento reinante a uma atitude de atenção, de proximidade, de solidariedade e de...