Magustos com Missão

No início de novembro, o sol agraciou-nos com o seu brilho e calor, o que ajudou a dar ainda mais cor e beleza aos magustos missionários que aconteceram de norte a sul do país. A grande novidade deste ano foi a festa missionária conjunta da família espiritana do Minho.

Às portas do Jubileu da Misericórdia, ficou o convite a abrir o coração

No início de novembro, o sol agraciou-nos com o seu brilho e calor, o que ajudou a dar ainda mais cor e beleza aos magustos missionários que aconteceram de norte a sul do país. 

Estes magustos são já uma longa tradição que envolve toda a família espiritana. É muito mais do que castanhas e água pé: é uma verdadeira festa missionária cheia de comunhão e solidariedade.

Estas festas foram alimentadas por momentos de oração, onde a Eucaristia foi central. Como diz o Papa Francisco, Ela “alimenta e reforça interiormente os cristãos e torna-os capazes de um autêntico testemunho evangélico na vida diária”.

Foram também marcadas por gestos fortes de partilha que, este ano, ajudarão a concretizar dois projetos missionários, no Tefé - Amazónia e na Beira - Moçambique, onde estamos a construir o primeiro seminário espiritano naquele país.

Barcelos

Uma das novidades dos magustos deste ano aconteceu no Minho: todos os grupos e movimentos espiritanos nas dioceses de Braga e Viana do Castelo juntaram-se no Centro Espírito Santo e Missão (CESM), na Silva, Barcelos. 

Foi no dia 8 de novembro e reuniu Jovens Sem Fronteiras JSF), Liga Intensificadora da Acção Missionária (LIAM), Movimento Missionário dos Professores (MOMIP), Fraternidades Espiritanas, Antigos Seminaristas do Espírito Santo (ASES), seminaristas, espiritanos e alguns dos seus familiares, amigos e benfeitores da Congregação. Esta jornada, veio também, de certa forma, animar a diocese de Braga que vive um Ano Missionário (“Fé anunciada”) e quer continuar a aprofundar a cooperação com a diocese de Pemba, no norte de Moçambique.

Estiveram presentes mais de 600 pessoas que, de coração, deram tudo o que tinham para que esta festa missionária tivesse sucesso, bem ao jeito da viúva do Evangelho deste domingo que deu o seu óbolo, porque era tudo o que tinha.

A presença do Director Diocesano de Braga das Obras Missionárias Pontifícias, Cónego Fernando Monteiro, permitiu que estivéssemos em comunhão com esta nossa Igreja diocesana. Durante a sua homília, reforçou o sentido da missão na vida de cada cristão: “a missão faz-se quando todos os nossos gestos saem do coração”.

Todos, sem excepção, deram o melhor de si para esta actividade missionária: uns trouxeram bens alimentares, outros acarretaram bebidas, outros aportaram objectos para as vendas, outros colaboram na organização e no serviço, outros trouxeram os seus dotes artísticos de dança que animaram a todos…

Porto

No Seminário do Pinheiro Manso, o magusto missionário foi, como vem sendo hábito nos últimos anos, vivido a dois tempos: da parte da manhã reuniram-se os Jovens sem Fronteiras para um tempo de oração, formação e confraternização e da parte da tarde o grupo alargou-se a toda a família espiritana para a celebração da Eucaristia e para o magusto propriamente dito.

No momento de partilha espiritual e de missão, o grupo de JSF presente não era enorme, mas era participativo e interessado.

O Diogo Azevedo, animador nacional e regional dos JSF, apresentou uma das catequeses sobre vida consagrada que foram propostas pelo Secretariado Diocesano da Pastoral juvenil do Porto para o aprofundamento deste tema, durante o ano que lhe é dedicado. Depois de reflexão e debate, o P. Pedro Fernandes propôs uma apresentação um pouco mais aprofundada do carisma espiritano e também da comunidade espiritana do Porto. Esta apresentação também se incluiu no programa de formação lançado pela diocese, que prevê tempos de encontro com comunidades religiosas. E que mais pertinente poderia ser senão encontrarem-se Jovens sem Fronteiras com a comunidade espiritana que é a “sua”? O almoço partilhado que se seguiu foi vivido com a simplicidade e alegria próprias da família espiritana e dos JSF.

De tarde, já com os outros membros da família espiritana (LIAM, JSF, MOMIP, Fraternidade espiritana do Porto, grupo Viver sem Fronteiras, e outros amigos da comunidade), foi tempo de reencontro e confraternização, a que se seguiu a Eucaristia. 

Seguiram-se as castanhas e lanche partilhado, acompanahdas de muita animação e atividades solidárias. Nem a exiguidade do espaço impediu uma tarde agradável de conversa, riso, canto e confraternização. As castanhas foram assadas pelo sr Jaime e sua família, vindos do grupo da LIAM de Meixomil. Como em anos anteriores, foi uma expressão bela de serviço e disponibilidade, que toda a família espiritana agradece.

Já ao anoitecer, todos voltaram a sua casa, na alegria de terem rezado e convivido em família espiritana.

Coimbra

Na região de Coimbra, foi também na tarde de domingo, 8 de novembro, que aconteceu o Magusto Missionário Espiritano.

O Centro Paroquial de Cantanhede, com as suas maravilhosas instalações, abriu as suas portas para nos receber e servir de palco a um ambiente de festa, fervor e amor missionário.

Ali acorreram muitos liamistas, amigos e colaboradores das missões espiritanas, vindos dos mais variados grupos missionários ligados a este Centro.

Nessa tarde, rezou-se, cantou-se, bailou-se e divertiu-se no embalo do entusiasmo missionário de nos sentirmos unidos em um só coração e uma só alma, na causa de fazer o bem sem olhar a quem.

Tudo começou pelas 14,30h., com a Eucaristia, cuja liturgia da palavra teve como mensagem central os apelativos da Missão concreta hoje, focando a atenção no acolhimento aos refugiados vindos dos diversos palcos de morte, bem como no testemunho daqueles que sofrem na pele por professarem a sua fé de cristãos e todos aqueles que sofrem no anonimato e no silêncio, lá onde não chegam as câmaras da televisão.

De seguida, procedeu-se a um tempo de convívio e partilha de castanhas, acompanhado pela animação do rancho folclórico “Os Esticadinhos” de Cantanhede com a amável jovialidade e disponibilidade a que já há muito nos habituaram.

Cumpre-nos uma palavra de agradecimento, quer à Direção de “Os Esticadinhos”, quer também ao Grupo Missionário da Liam de Cantanhede, anfitrião deste convívio, que, como é de seu timbre, muito se esmerou na disponibilidade, zelo e carinho, contribuindo assim para que todo este encontro, mais do que uma festa, fosse ocasião de incremento de um mais forte ideal e fervor missionário.

Torre d’Aguilha

O Seminário da Torre d’Aguilha, em Cascais, há muito que acolhe esta festa missionária que envolve todos os movimentos espiritanos das dioceses de Santarém, Lisboa e Setúbal. Este ano, pela primeira vez, contou com a presença também da diocese do Algarve, com dois autocarros.

A alegria e o convívio fraterno foram as pedras de toque. Desde a oração da manhã, passando pela eucaristia com um toque muito missionário, até ao almoço e às castanhas bem como a parte cultural, tudo foi muito bem vivido com muito espírito de fraternidade e de solidariedade com a Missão. Sobretudo com a construção do Seminário Espiritano na Beira - Moçambique e com a Amazónia onde trabalha o Pe. António Fari as.

Para o ano há mais e queremos que participe mais gente. Sempre mais e melhor.

Um obrigado muito especial a TODOS os grupos e pessoas que duma forma directa contribuíram para a boa organização deste evento missionário. Muita gente fez-se acção e compromisso para que tudo pudesse correr bem.

Fundão

Na Comunidade Espiritana do Fundão, foi na tarde do dia 7 de novembro que se realizou o magusto dos ASES da região da Guarda e Castelo Branco.

Não foram muitos aqueles que compareceram, mas foi um bom momento de convívio, recordado os tempos de Seminário, e de oração. Estiveram presentes o Dr. Carlos Almeida, do Sabugal; o Prof. José Maria Cobrado, de Castelo Branco e Jose Manuel Bonifácio, da Covilhã, que ofereceu as castanhas.

Depois do convívio, houve tempo para visitar a casa da comunidade e partilhar as castanhas. A tarde terminou com uma breve oração pelos Ases vivos e defuntos e a despedida. Prometeram angariar mais antigos alunos, para novo e mais numeroso convívio, lá para o início do novo ano, onde tentaremos eleger uma direção que se resposabilize pela orientação do núcleo da Cova da Beira.

Paredes de Coura

No passado dia 15 de Novembro, no salão paroquial de Paredes de Coura, cerca de 50 Liamistas e amigos das Missões realizaram o seu tradicional Magusto numa tarde com um bonito de Verão, próprio do dia de São Martinho.

Depois da oração inicial, houve tempo para partilha e reflexão missionária. Após este momento, foi ocasião de provar umas boas castanhas assadas, acompanhadas de música e animação.

Durante 3 a 4 meses prévios ao magusto, estes liamistas preparam-se com uma rifa de amigos para deste modo colaborar com os projectos missionários da LIAM para este ano.

Um bem-haja a cada um destes dedicados liamistas de Paredes de Coura e que Deus os continue a abençoar. Mais e melhor!

O sol sorriu, e deu mais luz e cor a todas as iniciativas solidárias.
Animação no Seminário da Silva
Animação no Seminário da Silva
Cónego Fernando Monteiro, Director Diocesano de Braga das Obras Missionárias Pontifícias, presidiu à Eucaristia. Mais de 600 pessoas estiveram presentes.
Eucaristia no Seminário da Torre d'Aguilha, presidida pelo P. Tony Neves, Superior Provincial.
Paredes de Coura

Últimas

O pão da esperança

29º Domingo do Tempo Comum. O Dia Mundial das Missões que hoje celebramos é ocasião propícia para...

Nossa Senhora do Caminho

Foi pelas pantufas da Irmã Lúcia que cheguei às chuteiras do Nuno Gomes. Mas o que é que uma coisa...

Educar na fé

20. A história do Beato Daniel Brottier, contada pelo P. Agostinho Tavares.

O banquete

O nosso jeito de celebrar os acontecimentos mais importantes da nossa vida pessoal, familiar e...

Outubro missionário

A mensagem do Santo Padre para o Dia Mundial das Missões tem como tema “A Missão no coração da fé...

Com Maria, Missão de Paz

Este Guião Missionário vai pôr o nosso coração a bater ao ritmo do coração da Deus e da Igreja que o...