Mãe de Misericórdia

Neste mês em que lembramos a Igreja incendiada pelo fogo do espírito queremos ficar com Maria no Cenáculo para podermos aprender como ser Seus instrumentos e seguir o mandato “Ide e ensinai todos os povos”.

Pai Nosso, que estais no Céu, neste mês de Maio, mês de Maria, dou-te graças pelo dom de Maria à humanidade. Ela é a “Arca da Aliança entre Deus e os homens, que atesta que a misericórdia do Filho de Deus não conhece limites e atinge a todos, sem excluir ninguém” (Rosto da Misericórdia). Nós lhe chamamos Mãe de Misericórdia porque ela foi antes mãe da Misericórdia, porque Deus “olhou para a humildade da Sua serva” (Lc 1,18). Sendo Nossa Senhora humilde ela foi capaz de fazer a vontade de Deus, por ser Sua serva proferiu o “Faça-se”. Tendo consciência da sua incapacidade como criatura ela acreditou no nada impossível para Deus, e deixou que Ele fizesse maravilhas. Por vezes, vemos a nossa incapacidade mas não somos capazes de acreditar que Deus pode fazer infinitamente mais do que possamos imaginar, deixamo-nos ficar no seguro do nosso comodismo e não nos atiramos nos braços de Deus, e dos irmãos famintos de Amor.

Ao contemplar a passagem do Evangelho da Ressureição alguém comentava que as mulheres tinham mais facilidade em acreditar porque elas viviam na carne o milagre de dar à luz, o milagre da vida. Cada vez que um novo ser nasce é como que Deus nos quer mostrar que ainda aposta no ser humano. 

Maria não foi líder mas esteve sempre presente, nunca quis ter o protagonismo mas foi elo de ligação, como chave de ignição que faz o motor trabalhar. Ela é medianeira semelhante a uma mãe que intercede constantemente pelos seus filhos, e que permanece com eles tomando consigo as suas dores e alegrias. A mãe não deixa de ser mãe quando perde o filho, quando ele se perde no mundo da droga, do roubo, da marginalidade. Estando longe ou perto o seu coração de mãe não deixa de pulsar por ele. Nós temos de ter os mesmos sentimentos para com o ser humano, apostar nele mesmo quando tudo parece perdido. Essa é a misericórdia exigida a um cristão.

Eugénie Caps escrevia no seu diário, passado um ano da fundação: “Boa Mãe, preciso de apoio, de um modelo. Em Vós encontro tudo aquilo de que preciso. Coração de Maria não vivendo senão para o Vosso Filho Jesus, obtende-me a graça de viver unicamente para Ele” (Diário da Ir. Eugénie Caps, 1922).

Neste mês em que lembramos a Igreja incendiada pelo fogo do espírito queremos ficar com Maria no Cenáculo para podermos aprender como ser Seus instrumentos e seguir o mandato “Ide e ensinai todos os povos”.

Últimas

A melhor apólice

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não...

Silêncio

Um filme de Martin Scorsese, adaptação de um romance de 1966 escrito pelo japonês Shusaku Endo, que...

As sufragistas

Mais uma edição da tertúlia "Um filme, uma provocação", promovida pelo CESM. A próxima edição é...

Verso... e o reverso

O Papa Francisco tem lugar cativo no "verso" do jornal Ação Missionária, por Arminda Camati. Desta...

Escolhas audazes

Sínodo dos Bispos, a realizar em 2018, tem como tema "Os jovens, a fé e o discernimento vocacional"....