"Construir Pontes de Misericórdia"

Em Agosto, um grupo de doze jovens partiu para a missão de Kalandula, em Angola, para um mês de voluntariado missionário. "Construir Pontes de Misericórdia" foi o lema, que procuraram viver nas áreas da pastoral, educação e saúde.

Elementos do grupo 'Ponte' com o P. Viana, no dia da celebração das suas bodas de ouro sacerdotais, na comunidade de Kalandula

“Recebestes de graça, dai de graça.” (Mc 3, 19). 

É verdadeiramente uma graça de Deus ir, estar e regressar de um projeto como a Ponte. Aos poucos, a aterragem vai acontecendo mas os corações ainda estão por terras de Angola, junto de um povo que durante um mês nos soube acolher como uma verdadeira família. Quando assim é, tudo se torna mais fácil. A princípio veio a descoberta: dos lugares, das pessoas, dos hábitos e costumes. Passados os primeiros dias colocámos as nossas mãos ao trabalho.

No Colégio da Missão Católica de Kalandula, juntamente com o João Paulo (seminarista espiritano em estágio missionário) fizemos todo o tipo de trabalhos. Uma das tarefas que desempenhámos foi a vigia das provas durante a época de exames. Para além disso, trabalhámos na melhoria dos espaços e dos materiais referentes à sala de informática, à biblioteca, ao gabinete pedagógico e à secretaria. No contato direto com os alunos, promovemos alguns workshops em matérias onde os mesmos demonstravam interesse em explorar. Mais do que uma simples passagem de conhecimentos, estes workshops permitiram o crescimento mútuo de todos os envolvidos. 

Na saúde, o grupo participou em trabalhos na Missão Católica, bem como na Vila de Kalandula, que se basearam nos rastreios diários de hipertensão arterial e de glicemia, e também em formações relacionadas com a higiene e os cuidados básicos de saúde direcionadas tanto à população como aos respectivos profissionais.

Uma outra área onde estivemos debruçados foi na missão pastoral. Aqui, para além das catequeses e dos encontros e orações com jovens, tivemos ainda a oportunidade de promover um curso de catequistas. Este último tornou-se uma experiência essencial para cerca de 20 catequistas que vieram das várias comunidades do interior. Formação bíblica, apresentação de alguns textos do Papa Francisco, e a apresentação do Ano Santo da Misericórdia foram algumas das formações abordadas. Momentos de igual formação ocorreram com líderes de grupos existentes na comunidade e ainda com um grupo de futuros professores. 

Nesta terra, que já consideramos a nossa casa, é impossível sairmos à rua e não sermos arrebatados por crianças e jovens (alguns residentes nos internatos masculino e feminino da Missão Católica) que nos dão muito mais do que aquilo que nós próprios possamos dar. Acompanharam-nos para todo o lado. Queriam-nos conhecer melhor enquanto pessoas e representantes de um povo distante. As suas curiosidades fascinaram-nos ao ponto de ser impossível ficarmos indiferentes. 

A quem também não podemos ficar indiferentes é ao Padre (ou Papá) Viana. Durante a nossa estadia, para além de presenciarmos a celebração das suas bodas de ouro sacerdotais, tivemos também a oportunidade de ouvir o seu testemunho de vida que tanto nos ensinou e nos fez perceber como “ele fez da sua casa aquele lugar”. Ficam as pessoas e um sem fim de coisas para as quais o nosso agradecimento nunca vai ser suficiente. 

Até breve. Tua Sakidila.

Gincana com crianças da catequese
Grupo “Ponte” com o P. Viana, João Paulo, outros espiritanos e crianças da missão
Visita à catedral de Malanje
Rastreios de Saúde

Últimas

Católicos, mesmo?

A verdadeira ‘aldeia global’ é-nos proposta por Deus sob a forma de “casa de oração”, pois é pela...

Férias culturais

No período de férias proponho um passeio cultural com a família à Villa Romana de Pisões, situada na...

Deus desconcertante

19º Domingo do Tempo Comum. É importante que, num tempo em que somos constantemente bombardeados por...

É proibido reclamar

Este foi um dos últimos pedidos do Papa Francisco quando iniciou as suas férias de verão.

Bem-vindos ao Planalto

Ouvi estas palavras há precisamente 20 anos. O planalto é o angolano. Zona fértil, que se eleva a...