Católicos, mesmo?

A verdadeira ‘aldeia global’ é-nos proposta por Deus sob a forma de “casa de oração”, pois é pela oração que o nosso coração se abre a Deus e se alarga a todos os homens, à semelhança do nosso Deus, por quem serão aceites também os “holocaustos e sacrifícios” dos estrangeiros.

20º Domingo do Tempo Comum

O número de quantos se dizem ‘católicos` está muito para além dos que têm uma prática religiosa regular, mas a uns e outros convém que nos perguntemos se o somos de verdade.

Num tempo de tantos muros e divisões, que agravam ainda mais a indiferença que por todos os lados prolifera, mais difícil e exigente se torna alargar o nosso coração, de forma a nele haver espaço, acolhimento, atenção, apreço e reconhecimento para todos, sem distinção de raça, cor, classe social ou filiação religiosa. E isto é que é ser ‘católico’.

Temos de reconhecer que, pelo facto de a ‘globalização’ nos colocar mais perto uns dos outros, daí não decorre necessariamente que estejamos mais próximos. Com efeito, a tenda da ‘aldeia global’ só poderá ser levantada e só poderá manter-se de pé se no coração de cada um de nós houver abertura e largueza para os outros, com as suas diferenças, a sua maneira de ser, de viver e de sentir.

A verdadeira ‘aldeia global’ é-nos proposta por Deus sob a forma de “casa de oração”, pois é pela oração que o nosso coração se abre a Deus e se alarga a todos os homens, à semelhança do nosso Deus, por quem serão aceites também os “holocaustos e sacrifícios” dos estrangeiros.

Deus garante-nos hoje que a sua tenda é suficientemente larga para a todos albergar, que a sua mesa é suficientemente farta para a todos saciar. Compete a cada um de nós ir derrubando os muros que no nosso coração vão roubando o espaço a que os outros, como homens e como irmãos, têm direito.

E a aparente indiferença - e resistência, até - de Jesus em atender a súplica daquela mulher cananeia que lhe pedia a cura da sua filha, serve apenas para salientar o dom da fé concedido também a esta ‘pagã’, e que ela expressa na sua convicção de que Deus não quer, nem pode excluir ninguém da sua mesa.

Também a tenda do nosso País não tem sido muito pacífica com as levas de emigrantes que a têm demandado nos últimos anos. Habituados como estávamos a enviar gente para todos os cantos do mundo, não tem sido fácil tornarmo-nos agora porto de abrigo, mesmo que sejamos reconhecidos como povo acolhedor. Para que tal aconteça, temos de reconhecer a radical fraternidade de todos os homens, porque todos temos o mesmo Pai, cuja casa está aberta a todos os povos!

Como é importante que todos nós, ‘católicos’, apareçamos nesta nossa sociedade cada vez mais dividida e clubista como agentes da verdadeira globalização e não nos deixemos enredar por interesses rasteiros e mesquinhos, que só nos enriquecem em ódios, ressentimentos e divisões, que em nada contribuem para nos tornarmos mais próximos uns dos outros e concidadãos da mesma ‘aldeia global’!

Por isso, o ser ‘católico’ não separa, não divide, nem opõe, mas distingue-se pela sua abertura e aceitação respeitosa de todos os outros, à semelhança do Pai do Céu e caracteriza-se pelo seu empenho na construção da nossa ‘casa comum’ onde haja lugar, pão e paz para todos!

 

 

Últimas

Sabor a injustiça?

Como é que podemos trocar o sabor a injustiça pelo sabor e cheiro a misericórdia?

O (mais) perfeito dom

Jesus fala-nos do ‘perdão do coração’. Esse é que é o perdão por excelência, o dom perfeito. É na...

Bispo simples e próximo

A Família Espiritana une-se à Diocese do Porto e à família do D. António Santos, que partiu, esta...

Outra vez o jumento?!

"É tempo de férias, estar com a família e descansar, que seja também tempo para louvar e agradecer,...

Vidas alheias?

Passar do alheamento reinante a uma atitude de atenção, de proximidade, de solidariedade e de...