Atitudes de um verdadeiro missionário

Na nossa acção missionária, coragem, firmeza, oração e humildade devem ser as nossas armas e a nossa postura de evangelizadores.

Falamos muito do que é ser Missionário mas, muitas vezes, esquecemo-nos que este deve munir-se de determinadas atitudes para que a sua Missão seja verdadeiramente dum Discípulo Missionário.

Quais devem ser, então, as atitudes dum verdadeiro missionário? A primeira atitude é a coragem e a firmeza. Diz-nos o Papa Francisco: De facto, se “a pessoa não tiver coragem — coragem espiritual, coragem no coração, se não for apaixonada por Jesus, é dele que vem a coragem — dirá, sim, algo interessante, algo moral, que fará bem, um bem filantrópico, mas nela não se encontrará a palavra de Deus. Deste modo será incapaz de formar o povo de Deus, porque só a palavra de Deus proclamada com esta franqueza, com esta coragem, é capaz de formar o povo de Deus”. Portanto a palavra de Deus deve ser anunciada com franqueza, isto é, abertamente; inclusive com vigor, com coragem.

A segunda atitude é a oração. O missionário deve ser um homem orante. Diz-nos o Papa Francisco: “a palavra de Deus deve ser proclamada com oração, e isto deve ser feito sempre. Sem oração, podes pronunciar um lindo discurso, dar uma boa instrução, muito boa, mas não é a palavra de Deus. Só de um coração em oração pode sair a palavra de Deus.” Portanto, é necessária a oração a fim de que o Senhor acompanhe esta sementeira da palavra, para que o Senhor irrigue a semente e ela brote.

A terceira atitude é a humildade, a consciência de que o missionário é débil. Lê-se: “eis que vos envio como cordeiros entre lobos. O que significa? «O verdadeiro pregador tem consciência de ser débil, que não se pode defender sozinho.” A sua força não vem só das suas capacidades mas acima de tudo da força de Deus na sua vida. Portanto, não basta confiar só nas nossas capacidades mas acima de tudo confiar de que, com Deus tudo pode.

E conclui o Santo Padre: “Assim são os grandes missionários, os que proclamam a palavra não como algo próprio mas com a coragem, com a franqueza que vem de Deus. São aqueles que por se sentirem insignificantes, rezam.” Portanto os grandes arautos que semearam e ajudaram a crescer as Igrejas no mundo, foram homens corajosos, de oração e humildes. 

Na nossa acção missionária estas atitudes não podem faltar. Coragem, firmeza, oração e humildade devem ser as nossas armas e a nossa postura de evangelizadores. 

Últimas

O mistério do mal

Que o Espírito nos ajude a encarar o mistério do sofrimento e do mal com os olhos do próprio Deus e...

P. Luís Rafael, JSF

Luís Rafael era seminarista quando conheceu os Jovens Sem Fronteiras. Sete anos depois, é sacerdote...

Sr. Padre Tó

Uma semana depois da ordenação, António Mosso ainda não se acostumou a que lhe chamem "Sr. Padre"....

O nosso tesouro

Precisamos da palavra que fortaleça a nossa esperança, para encararmos os sofrimentos,...