As verdadeiras credenciais

Onde estou eu, onde estamos nós, cristãos, face aos inúmeros e reais problemas das pessoas, particularmente dos pobres, dos sozinhos, dos marginalizados, dos emigrados? Onde estou eu, onde estamos nós, cristãos, face às iniciativas legislativas que se anunciam e que são contrárias não só à nossa fé, mas também aos nossos valores civilizacionais e éticos?

João Batista

3º Domingo do Advento

Neste terceiro domingo da nossa caminhada em Advento emerge de novo a figura de João, o Batista, em duas dimensões aparentemente incompatíveis: por um lado, a sua extraordinária grandeza (“entre os filhos de mulher, não apareceu ninguém maior” que ele), mas, por outro, vivendo uma profunda crise de fé (“és tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro?”), dado que se encontra injustamente preso e invadido pela sensação de que sobre ele caiu um profundo abandono, ele “a voz” silenciada, sem qualquer movimento ou levantamento em seu favor. Daí a sua iniciativa em enviar uma delegação junto de Jesus.

E a resposta de Jesus, embora pareça manifestar uma enorme indiferença pela situação em que ele se encontra, é, bem pelo contrário, a única resposta válida: “ide contar a João o que vedes e ouvis…”. De facto, respostas de palavras bonitas feitas é o que mais há por aí fora a todos os níveis, mas que o vento leva e que desaparecem mais rapidamente que o fumo.

O que verdadeiramente conta são ações, atitudes, gestos e compromissos, exatamente o que Jesus estava fazendo naquele momento: os cegos passavam a ver, os coxos a andar, os leprosos recuperavam a saúde, os surdos começavam a ouvir, os mortos ressuscitavam e a boa nova era anunciada! São os ‘sinais messiânicos’ anunciados pelo profeta Isaías, permitindo a sua realização identificar o verdadeiro Messias.

É este critério que precisamos de transpor para as nossas comunidades cristãs e para a vida de cada um de nós. Estas são as verdadeiras credenciais, as únicas que podem dissipar todas as dúvidas. De facto, convém que nos perguntemos: onde estou eu, onde estamos nós, cristãos, face aos inúmeros e reais problemas das pessoas, particularmente dos pobres, dos sozinhos, dos marginalizados, dos emigrados? Onde estou eu, onde estamos nós, cristãos, face às iniciativas legislativas que se anunciam e que são contrárias não só à nossa fé, mas também aos nossos valores civilizacionais e éticos? Não sofreremos nós, como dizia recentemente alguém, de uma estranha esquizofrenia e bipolaridade que nos permite conjugar fé e legalização do aborto ou da eutanásia? Será verdadeira compaixão optar pela eliminação dos que sofrem, em vez de estarmos a seu lado e aliviar o seu sofrimento por uma presença silenciosa e compreensiva, mas verdadeiramente compassiva? 

Convenhamos que podem ser perguntas incómodas, mas pretender ignorá-las ou evitá-las só poderá contribuir para o nosso descrédito. E o mundo de hoje não precisa do nosso silêncio cobarde e cúmplice, mas dos nossos ‘sinais messiânicos’, que abram caminho ao nosso Deus, que a todos quer salvar!

E é sobretudo o mundo do sofrimento e da dor que precisa de ser iluminado pelos sinais messiânicos do ‘estar com’, da escuta empática, da consolação. Devem ser estes, pois, os nossos sinais, chamados que estamos a ser “ministros da esperança”. Têm de ser estas as nossas credenciais! 

Últimas

O banquete

O nosso jeito de celebrar os acontecimentos mais importantes da nossa vida pessoal, familiar e...

Outubro missionário

A mensagem do Santo Padre para o Dia Mundial das Missões tem como tema “A Missão no coração da fé...

Com Maria, Missão de Paz

Este Guião Missionário vai pôr o nosso coração a bater ao ritmo do coração da Deus e da Igreja que o...

A vinha do Senhor

Que o nosso vinho seja abundante e bom e dê prazer de ser degustado, pois o nosso Deus é o melhor...

"Segue o que sentes"

Mais que simples ‘spot’ publicitário, esta frase - “segue o que sentes” - caracteriza a sociedade...

Sabor a injustiça?

Como é que podemos trocar o sabor a injustiça pelo sabor e cheiro a misericórdia?