Animados pela esperança

Será que actuamos com sentido de esperança? Será que acreditamos que poderemos fazer mais e melhor? Será que conseguimos projectar a acção pastoral para além do hoje? Ou vivemos em função do passado? Dos acontecimentos gloriosos. O argumento que “antigamente é que era bom” é o sinal mais evidente da falta de esperança e de abertura à novidade.

A esperança é a última coisa a morrer. Mas afinal o que é a esperança? Se formos a um dicionário este define esperança da seguinte maneira: “Expectativa optimista baseada na possibilidade de que alguma coisa que se quer muito ocorra; confiança ou fé na hipótese de que algo bom poderá vir a acontecer; Confiança, crença ou fé em algo ou alguém”. Como vêem são definições todas positivas: expectativa, confiança e fé. Mas nós temos pouca confiança na esperança! Acreditamos mais nas “desesperanças”: pessimismo, desconfiança, falta de ousadia, falta de optimismo, descrença, desânimo, falta de coragem e tantos outros males que se alimentam entre si.

Quem não vive alimentado pela esperança não tem sentido de futuro, muito menos de crença num mundo melhor e na transformação dos corações dos homens. Desesperar é o pior mal que podemos ter nas nossas vidas. Viver do passado, alimentando-o com saudosismo, chorando as cebolas do Egipto, não nos adianta nada. Viver apenas do presente, da velocidade e da efemeridade das coisas, pouco nos vale também. Viver do futuro, eis o elo diferenciador que nos mantém vivos e com sinal de positividade. Se não formos seres de esperança nunca conseguiremos caminhar para a frente com determinação e garra. 

Olhando ao redor do nosso mundo e nos corações dos homens vemos muitos sinais de “desesperança” que coloca as pessoas a rastejarem e a não conseguirem levantar a cabeça e as suas vidas. São os horrores das guerras e das fomes. São as gritantes desigualdades sociais. É a crise dos refugiados e migrantes. É a globalização da indiferença. É o desrespeito pelas minorias. É o fenómeno do terrorismo. Um coração animado e fortalecido pela esperança nunca se deixa vencer. Nem pelo cansaço!

Olhando para a nossa acção missionária, será que actuamos com sentido de esperança? Será que acreditamos que poderemos fazer mais e melhor? Será que conseguimos projectar a acção pastoral para além do hoje? Ou vivemos em função do passado. Dos acontecimentos gloriosos. O argumento que “antigamente é que era bom” é o sinal mais evidente da falta de esperança e de abertura à novidade.

Precisamos, como grupos missionários, envolver-nos pela esperança e perceber que o Espírito Santo não pára no tempo. De não nos prendermos nas pedras pesadas mas agarrarmo-nos à leve pena (entenda-se – Espírito Santo) que nos conduz por novos caminhos de esperança.

Não tenhamos medo de percorrer novos caminhos de Missão.

Viver animado pela esperança é viver com sinal +

Últimas

A melhor apólice

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não...

Silêncio

Um filme de Martin Scorsese, adaptação de um romance de 1966 escrito pelo japonês Shusaku Endo, que...

As sufragistas

Mais uma edição da tertúlia "Um filme, uma provocação", promovida pelo CESM. A próxima edição é...

Verso... e o reverso

O Papa Francisco tem lugar cativo no "verso" do jornal Ação Missionária, por Arminda Camati. Desta...

Escolhas audazes

Sínodo dos Bispos, a realizar em 2018, tem como tema "Os jovens, a fé e o discernimento vocacional"....