A melhor apólice

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não esquecer que nenhum deles nos garante aquilo que só o Senhor pode oferecer e cumprir!

Ilustração por Patxi Fano

8º Domingo do Tempo Comum

É deveras preocupante nos nossos dias o crescimento da desconfiança, que nos vai encerrando num círculo cada vez mais restrito de relações e mina inevitavelmente a convivência social, fazendo aumentar a insegurança e a solidão.

Neste contexto, é reconfortante a garantia que o Senhor nos deixa pela boca do profeta Isaías: “Nunca Eu te esquecerei!”. Com S. Paulo e como ele, somos convidados a pôr em Deus toda a nossa confiança, pois só o seu julgamento conta e é a sua vinda que manifestará os desígnios dos corações.

Este foi também o desafio insistentemente lançado por Cristo aos seus discípulos: Não vos preocupeis com o que haveis de comer e de vestir.... O Deus que cuida das aves do céu não fará muito mais por vós?... Bem sabe o vosso Pai celeste que precisais de tudo isso!... Não vos inquieteis com o dia de amanhã!

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não esquecer que nenhum deles nos garante aquilo que só o Senhor pode oferecer e cumprir!

E, dado que não podemos servir a dois senhores, o menos aconselhável é procurarmos o equilibrismo, embora ele esteja implantado e seja considerado socialmente correto. Por isso, a única apólice que vale a pena manter atualizada e ser reforçada em cada dia da nossa vida é a confiança absoluta em Deus, traduzida num abandono filial nas suas mãos!

Foi esta confiança que Libermann manifestou, quando, em situação humanamente sem solução, respondeu ao seu irmão: “Não te aflijas por minha causa. Receias que morra de fome? Mas então o Senhor, que alimenta as avezinhas, não terá meios para me alimentar a mim também? Ele sempre me tem mais amor que aos passarinhos”. Deus há-de olhar por mim, tenho a certeza de que não me abandonará!

Perguntemo-nos, pois, até onde vai a nossa confiança em Deus?

Últimas

Férias culturais

No período de férias proponho um passeio cultural com a família à Villa Romana de Pisões, situada na...

Deus desconcertante

19º Domingo do Tempo Comum. É importante que, num tempo em que somos constantemente bombardeados por...

É proibido reclamar

Este foi um dos últimos pedidos do Papa Francisco quando iniciou as suas férias de verão.

Bem-vindos ao Planalto

Ouvi estas palavras há precisamente 20 anos. O planalto é o angolano. Zona fértil, que se eleva a...

Remédio para o stress

17º Domingo do Tempo Comum. Neste tempo de férias, a grande preocupação é descansar, é aliviar do...