A medida alta

Porquê contentarmo-nos com os horizontes tão reduzidos de quem se limita a rastejar na vida?

6º Domingo do Tempo Comum

Com toda a certeza, os ouvintes de Cristo ficaram boquiabertos não só pelo estilo empregue - “ouvistes o que foi dito aos antigos…. Eu, porém, digo-vos” -, mas, sobretudo pela fasquia bem elevada que Jesus lhes apresenta!

E, hoje, o espanto não é menor, dado que vivemos na cultura do mais fácil, do mais cómodo, do mais agradável, do ‘já e sem esforço’. Diríamos que vivemos num tempo em que toda a gente se contenta com os mínimos. Para além do curso de Medicina, talvez o desporto, sobretudo o olímpico, seja a exceção à regra, mas, mesmo aqui, cada vez mais se descobre o recurso a substâncias dopantes, que falsificam as marcas conseguidas…Na verdade, da educação à escola, do emprego à família, EXIGÊNCIA é conceito banido da nossa cultura. As próprias ideologias foram desaparecendo, umas após outras, e nem o Cristianismo escapa aos seus efeitos.

A verdade é que Cristo não se conforma com mínimos! Não foi essa a medida que Ele usou na sua doação e entrega por nós, nem se contenta com uma resposta minimalista da nossa parte. Basta recordar a advertência do Apocalipse: “Não és frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas, como és morno, nem frio e nem quente, vou vomitar-te” (Apoc. 3, 15-16).

Já o texto da primeira leitura nos firmava: “Diante do homem, estão a vida e a morte: o que ele escolher, isso lhe será dado”, indicando assim não só a nossa capacidade de escolha - a liberdade -, mas também a necessidade e obrigação de fazermos escolhas acertadas, isto é, com a sabedoria de que S. Paulo fala na segunda leitura e que “nenhum dos príncipes deste mundo conheceu”. É por ela que procuramos iluminar e pautar a nossa vida.

Não podemos, pois, contentar-nos com um cristianismo minimalista, feito à medida das nossas conveniências, das circunstâncias ou das nossas disposições de momento: hoje apetece-me - vou; não me apetece - não vou! O nosso cristianismo deve corresponder à certeza de que os olhos do nosso Deus “estão sobre aqueles que O temem” e que o seu olhar providente e paterno vela sobre nós e merece de nós uma entrega filial e confiante, traduzida num empenho constante de “melhor e mais”, para, nas pistas da vida, Lhe correspondermos com marcas cada vez mais elevadas. Como afirma o papa Francisco na mensagem para a próxima Quaresma, “o cristão é chamado a voltar para Deus ‘de todo o coração’, não se contentando com uma vida medíocre”.

Imitemos S. Paulo, que afirmava: “prescindindo do passado e atirando-me ao que resta para a frente, persigo o alvo, rumo ao prémio celeste, ao qual Deus nos chama, em Jesus Cristo… Seja qual for o grau a que chegamos, o que importa é prosseguir decididamente” (Filp. 3,13-16). Como pais e educadores, convençamo-nos de que não é facilitando tudo e sempre que preparamos os nossos educandos para as inevitáveis lutas e os duros desafios que na vida vão ter de enfrentar!

Todos sabemos que o esforço para escalar uma montanha é depois compensado pelos horizontes que, lá do cimo, o nosso olhar abarca e pela beleza extasiante que aí nos inunda, mas esta experiência está reservada só para quem até lá acima subiu! Porquê, então, contentarmo-nos com os horizontes tão reduzidos de quem se limita a rastejar na vida?

Últimas

A melhor apólice

Mesmo que no nosso tempo se multiplicam as propostas de seguros contra todos os riscos, convém não...

Silêncio

Um filme de Martin Scorsese, adaptação de um romance de 1966 escrito pelo japonês Shusaku Endo, que...

As sufragistas

Mais uma edição da tertúlia "Um filme, uma provocação", promovida pelo CESM. A próxima edição é...

Verso... e o reverso

O Papa Francisco tem lugar cativo no "verso" do jornal Ação Missionária, por Arminda Camati. Desta...

Escolhas audazes

Sínodo dos Bispos, a realizar em 2018, tem como tema "Os jovens, a fé e o discernimento vocacional"....